top of page
  • earielteixeira

Site em destaque: d.school

Atualizado: 27 de fev. de 2021

Uma escola revolucionário se escreve com "D" de Design



Um lugar para potencializar e mostar que todos podem ser criativos, onde os projetos estão em cada cantinho do espaço.



O processo na d.school é guiado por 8 (oito) habilidades, conforme o seu site apresenta:


1) Navegar pela ambiguidade

É a capacidade de reconhecer e persistir no desconforto dentro do desconhecido, desenvolvendo táticas para superar toda ambiguidade quando for necessário.

O design está carregado de incertezas. Como resultado, envolve estar presente no momento, revisitar os problemas e encontrar padrões nas informações. A ambigüidade pode surgir em muitos lugares - dentro de um projeto, um processo ou dentro de si mesmo. É importante colocar os alunos em situações ambíguas e fornecer-lhes táticas para emergir delas.



2) Aprender com os outros (pessoas e contextos)

Isso significa ter empatia e contemplar diversos pontos de vista, testando novas ideias com outras pessoas. Busque observar e aprender com contextos desconhecidos.

Ao longo de um projeto de design, é importante reconhecer e aproveitar toda oportunidade de aprender com os outros - tanto usuários finais quanto outras partes interessadas e membros da equipe. Existe uma sensibilidade para com os outros que se desenvolve com essa habilidade.



3) Sintetizar informações

Essa é a capacidade de dar sentido às informações e encontrar percepções e oportunidades nelas próprias.

Os dados vêm de vários lugares e têm muitas formas diferentes, podem ser tanto: qualitativos como quantitativos. Essa habilidade requer o incremento de outras, especialmente no desenvolvimento de estruturas, mapas e pensamento abdutivo. Toda síntese é difícil nos novos designers, mas deve ser exercitada. Leva tempo e é interdependente com o sentido de ambigüidade de navegação.




4) Teste rapidamente

Essa habilidade consiste em ser capaz de gerar ideias rapidamente - sejam escritas, desenhadas ou construídas.

Para experimentar rapidamente, você deve ser capaz de relaxar sua mente e se permitir. Isso eliminará toda tendência natural de bloquear ideias que parecem estranhas ou inviáveis. Então, deixe seu fazer guiar seu pensamento - suas mãos poderão te guiar. Esta habilidade se combina naturalmente com "aprender com os outros". Em muitos casos, você está experimentando, gerando uma enxurrada de novos conceitos de forma ágil (brainstorming) e testando alguns desses conceitos com usuários reais.




5) Mover-se entre o concreto e o abstrato

Essa habilidade envolve ter compreensão sobre os stakeholders e propósito do projeto, a fim de definir suas características essenciais.

Tudo está conectado. Quando estamos construindo um novo conceito - seja de um produto, serviço ou experiência - eles precisam ser capazes de aninhar o conceito dentro do ecossistema mais amplo que se relaciona com ele. Assim, devemos agradecer aos designers Ray e Charles Eames por nos ajudarem a preparar o cenário para essa habilidade. Aqui se envolve abstração para definir significado, objetivos e princípios, bem como precisão para definir detalhes e recursos.




6) Construir e fabricar intencionalmente

Essa habilidade tem relação com uma construção cuidadosa: mostra o trabalho no nível de resolução mais minucioso, visando projetar para o público desejado em detalhes. Em busca do feedback apropriado, de acordo com os requisitos e necessidades levantadas.

Existem muitas subdisciplinas no Design, cada uma com seu próprio conjunto de ferramentas e técnicas. Essa capacidade requer sensibilidade para selecionar aquelas ferramentas necessárias para se criar um trabalho, dando conta do contexto e do espaço projetual em que ele ocupa . Por exemplo, os designers de UX têm um conjunto específico de ferramentas para criar interfaces digitais centradas no ser humano. Já os arquitetos têm um arsenal de técnicas específicas para trazer novas estruturas ao mundo. Cada disciplina - imunologia, macroeconomia, educação, qualquer uma delas - tem seus próprios métodos e abordagens, em todos os casos, os detalhes importam.




7) Comunicar-se de forma estratégica

Trata-se da capacidade de formar, capturar e relacionar histórias, ideias, conceitos, reflexões e aprendizados para os públicos apropriados.

Os processos de comunicação acontecem em uma variedade de contextos. Podem incluir refletir sobre seu desempenho para uma equipe de projeto ou elaborar um vídeo para mostrar seu produto para um investidor potencial. Quando praticamos uma aprendizagem experiencial, o sentido da comunicação se amplia, por meio de técnicas de narrativa e de formas inusitadas de se contar histórias.


8) Faça design com o seu próprio design. Ele também é um projeto.

Essa meta-habilidade consiste em reconhecer um projeto como um problema de design e, em seguida, decidir sobre as pessoas, ferramentas, técnicas e processos necessários para resolvê-lo.

Essa habilidade se desenvolve por meio do binômio: tempo e prática. Vemos isso surgir naqueles mais experientes. Requer o uso da intuição, da adaptação de ferramentas antigas em novos contextos e do desenvolvimento de técnicas originais para enfrentar o desafio em questão.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page